UNIFESP port e inglês 2005 – Questão 21

Linguagens / Literatura / Modernismo Brasileiro: 3a Fase / Clarice Lispector
Amor
Um pouco cansada, com as compras deformando o novo saco de tricô, Ana subiu no bonde. Depositou o volume no colo e o bonde começou a andar. Recostou-se então no banco procurando conforto, num suspiro de meia satisfação. 
Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, mal-criados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa, olhando o calmo horizonte. Como um lavrador. Ela plantara as sementes que tinha na mão, não outras, mas essas apenas. E cresciam árvores. Crescia sua rápida conversa com o cobrador de luz, crescia a água enchendo o tanque, cresciam seus filhos, crescia a mesa com comidas, o marido chegando com os jornais e sorrindo de fome, o canto importuno das empregadas do edifício. Ana dava a tudo, tranquilamente, sua mão pequena e forte, sua corrente de vida. 
Certa hora da tarde era mais perigosa. Certa hora da tarde as árvores que plantara riam dela. Quando nada mais precisava de sua força, inquietava-se. No entanto sentia-se mais sólida do que nunca, seu corpo engrossara um pouco e era de se ver o modo como cortava blusas para os meninos, a grande tesoura dando estalidos na fazenda. Todo o seu desejo vagamente artístico encaminhara-se há muito no sentido de tornar os dias realizados e belos; com o tempo, seu gosto pelo decorativo se desenvolvera e suplantara a íntima desordem. Parecia ter descoberto que tudo era passível de aperfeiçoamento, a cada coisa se emprestaria uma aparência harmoniosa; a vida podia ser feita pela mão do homem. 
No fundo, Ana sempre tivera necessidade de sentir a raiz firme das coisas. E isso um lar perplexamente lhe dera. Por caminhos tortos, viera a cair num destino de mulher, com a surpresa de nele caber como se o tivesse inventado. O homem com quem casara era um homem verdadeiro, os filhos que tivera eram filhos verdadeiros. Sua juventude anterior parecia-lhe estranha como uma doença de vida. […]
Clarice Lispector
O narrador afirma que Ana caiu num destino de mulher. No texto, esse destino é descrito com o objetivo de propor uma reflexão sobre
 
a) a juventude e a velhice.
b) a importância de ser mãe.
c) as diferenças sociais.
d) o papel da mulher na sociedade.
e) a família como verdadeira instituição social.

Veja outras questões semelhantes:

Base dudow 2000 – Questão 60
Assinale a opção na qual todos os autores estejam relacionados com a primeira fase do romantismo português. a) Almeida Garret, Camilo Castelo Branco e Antônio Feliciano de Castilho. b) Almeida Garret, Bocage e Eça de Queiroz. c) Camilo Castelo Branco, Almeida Garret e João de Deus. d) Soares Passos, Júlio Dinis e Machado de Assis. e) Antônio Feliciano de Castilho, Alexandre Herculano e Almeida Garret.
UNIFESP port e inglês 2009 – Questão 30
Na última estrofe, o eu lírico expressa, por meio de: a) hipérboles, a dificuldade de se tentar esquecer um grande amor. b) metáforas, a forma de se esquecer plenamente a pessoa amada. c) eufemismos, as contradições do amor e os sofrimentos dele decorrentes. d) metonímias, o bem-estar ligado a amar e querer esquecer. e) paradoxos, a impossibilidade de o esquecimento ser levado a cabo.
ENEM 2ªAplicação Linguagens e Matemática 2009 – Questão 117
Violoncelo ...
Base dudow 2000 – Questão 33
A respeito do Padre Antônio Vieira, pode-se afirmar: a) Embora vivesse no Brasil, por sua formação lusitana não se ocupou de problemas locais. b) Dada sua espiritualidade, demonstrava desinteresse por assuntos mundanos. c) Em função de seu zelo para com Deus, utilizava-O para justificar todos os acontecimentos políticos. d) Procurava adequar os textos bíblicos às realidades de que tratava. e) Mostrou-se tímido diante dos interesses dos poderosos.
FUVEST 2005 – Questão 1
A reação caracterizada como “uma espécie de felicidade pensativa” justifica-se, no texto, pelo fato de que o filme a que o autor assistiu ...