UFSCar - Por e Ing 2006 – Questão 7

Linguagens / Português / Língua e Funções / Língua
Suponha o leitor que possuía duzentos escravos no dia 12 de maio e que os perdeu com a lei de 13 de maio.
Chegava eu ao seu estabelecimento e perguntava-lhe:
 — Os seus libertos ficaram todos?          
— Metade só; ficaram cem. Os outros cem dispersaram-se; consta-me que andam por Santo Antônio de Pádua.
— Quer o senhor vender-mos?          
Espanto do leitor; eu, explicando:         
— Vender-mos todos, tanto os que ficaram, como os que fugiram.          
O leitor assombrado:          
— Mas, senhor, que interesse pode ter o senhor...     — Não lhe importe isso. Vende-mos?          
— Libertos não se vendem.          
— É verdade, mas a escritura de venda terá a data de 29 de abril; nesse caso, não foi o senhor que perdeu os escravos, fui eu. Os preços marcados na escritura serão os da tabela da lei de 1885; mas eu realmente não dou mais de dez mil-réis por cada um.          
Calcula o leitor:          
— Duzentas cabeças a dez mil-réis são dous contos. Dous contos por sujeitos que não valem nada, porque já estão livres, é um bom negócio.          
Depois refletindo:          
— Mas, perdão, o senhor leva-os consigo?         
— Não, senhor: ficam trabalhando para o senhor; eu só levo a escritura.          
— Que salário pede por eles?          
— Nenhum, pela minha parte, ficam trabalhando de graça. O senhor pagar-lhes-á o que já paga.           Naturalmente, o leitor, à força de não entender, aceitava o negócio. Eu ia a outro, depois a outro, depois a outro, até arranjar quinhentos libertos, que é até onde podiam ir os cinco contos emprestados; recolhia-me a casa e ficava esperando.          
Esperando o quê? Esperando a indenização, com todos os diabos! Quinhentos libertos, a trezentos mil-réis, termo médio, eram cento e cinqüenta contos; lucro certo: cento e quarenta e cinco.
 (Machado de Assis, Crônica escrita em 26.06.1888. 
Obra Completa.)
A frase — Quer o senhor vender-mos? — poderia ser reescrita, segundo uma perspectiva contemporânea e coloquial, da seguinte maneira:
a) O senhor quer me vender esses libertos?
b) O senhor quer-me os vender?
c) O senhor quer me vender-lhes?
d) O senhor mos quer vender os libertos?
e) Quer o senhor me os vender?
Esta questão recebeu 2 comentários

Veja outras questões semelhantes:

UNESP 2016 – Questão 7
O artigo 7.° esclarece que os direitos previstos no Código ...
Base dudow 2000 – Questão 71
Observe as seguintes palavras e indique quais processos de formação elas pertencem: pontaria - beija-flor - lobisomem a) sufixal, justaposição, aglutinação;b) prefixal, aglutinação, sufixal;c) parassintética, sufixal, justaposição;d) prefixal, justaposição. Parassintética;e) justaposição, prefixal, aglutinação.
Base dudow 2000 – Questão 56
Em "O casal de índios levou os à sua aldeia, que estava deserta, onde ofereceu frutas aos convidados", temos: a) dois pronomes possessivos e dois pronomes pessoais; b) um pronome pessoal, um pronome possessivo e dois pronomes relativos; c) dois pronomes pessoais e dois pronomes relativos; d) um pronome pessoal, um pronome possessivo, um pronome relativo e um pronome interrogativo; e) dois pronomes possessivos e dois pronomes relativos.
Base dudow 2000 – Questão 46
Todas as palavras são formadas por sufixação na opção: a) sonhada, amada, quietação. b) ateu, plebéia, injusto. c) justiça, átomo, inoperante. d) fidalgo, campestre, cordel. e) fuzil, passatempo, afônico.
Base dudow 2000 – Questão 35
“Hoje, a dependência operacional está reduzida, uma vez que o Brasil adquiriu autossuficiência na produção de bens como papel-imprensa (...)” A oração grifada no período acima tem valor: a) condicional; b) conclusivo; c) concessivo; d) conformativo; e) causal.