ENEM PPL Humanas e Natureza 2009 – Questão 39

Ciências da Natureza / Biologia / Patologias / Agentes causadores de patologias
A ideia de que uma pequena população de células-tronco malignas pode causar câncer não é exatamente nova. As primeiras pesquisas com células-tronco, nas décadas de 50 e 60 do século passado, tiveram início justamente em tumores.
CLARK, M. F.; BECKER, M. W. O potencial maligno das células-tronco.In.: Scientific American Brasil. Ano 5, no 51, 2006, p-39-46. 

As células capazes de gerarem tumores se parecem com as células-tronco em vários aspectos. Entre esse aspectos, inclui-se a capacidade de
a) alta especialização.
b) matar as células vitais circundantes.
c) originar vários outros tipos de tecido.
d) proliferação lenta, o que está relacionado à longevidade da célula.
e) proliferação agressiva, que faz com que invadam outros tecidos distantes do órgão original.
 

Esta questão recebeu 158 comentários

Veja outras questões semelhantes:

ENEM 2002 – Questão 14
Na charge, a arrogância do gato com relação ao comportamento alimentar da minhoca, do ponto de vista biológico, ...
Base dudow 2000 – Questão 46
A pesquisa com células-tronco tem-se tornado de grande importância para recuperação de órgãos lesionados que não têm capacidade de regeneração de suas células. As células-tronco têm grande poder de regeneração porque: a) têm todos os seus genes funcionando. b) todos os seus genes estão desligados. c) têm alto grau de especialização. d) são pouco especializadas. e) não se reproduzem com facilidade.
ENEM 2ªAplicação Humanas e Natureza 2012 – Questão 27
...
Base dudow 2000 – Questão 9
(UCSal) A colchicina é uma substância química que, além dos efeitos tóxicos e anti-inflamatórios conhecidos, é amplamente utilizada como substância experimental para estudar as funções celulares, por interromper a divisão das células...
Base dudow 2000 – Questão 53
Uma criança do sexo masculino, que acaba de nascer, tem como pai um indivíduo que apresenta hemofilia e é normal com relação ao daltonismo. Sua mãe é portadora do gene para o daltonismo, mas não para o gene da hemofilia. Quanto a essa criança, podemos afirmar que: a) tem 50% de chance de ser daltônica. b) tem 50% de chance de ser hemofílica. c) tem 25% de chance de ser hemofílica. d) tem 75% de chance de ser daltônica. e) não tem chance de ser daltônica.